02/01 - Krysztof Kieslowski e Jhumpa Lahiri

Atualizado: Jan 16


Confraria da Padoca promove Encontro de Cinema, Literatura e Arte.





Há igualdade nas formas de amar?





Há igualdade quando duas pessoas não falam a mesma língua?





Como interpretar a dor?





Há igualdade quando os "muros" são transpostos?





Somos todos iguais?



Filme | "A Igualdade é Branca" de Krysztof Kieslowski


Em A Igualdade é Branca, Karol, o polonês, vai da exclusão social (ele é um fracassado do ponto de vista econômico e sexual) à conquista da riqueza e da mulher.

No início do filme, Karol está reduzido à nada: sua mulher não lhe deseja e ele não só fica sem ela como sem os seus bens. Um polonês em Paris submetido a vários divórcios: da sua língua, da sua terra e da sua mulher (francesa). Karol tenta possuir sua mulher e não consegue. Tenta então possuir o que a excede – os bens de uma economia de mercado – para, em uma nova tentativa, através do excesso, possuí-la.

Amor, via, morte, desejo, xenofobia, vingança.

Tudo isto temperado por Kieslowski.







Conto | "Intérprete de Males" de Jhumpa Lahiri


O conto que deu origem ao título do livro, conta a história de uma família de descendentes de indianos já americanizados, visitando a terra natal. Um nativo, que trabalha num hospital como intérprete de um médico, "traduzindo" os males dos pacientes, serve como guia à família. Atração sexual, cenário exótico - templos, macacos, calor - tornam-se pano de fundo para uma lição de amor. Jhumpa Lahiri, que nasceu em Londres, mas vem de uma família indiana e vive hoje na Itália, sabe como ninguém o que é não encontrar tradução para o seu mundo no cotidiano.



Leia o conto na íntegra, clicando abaixo.









Quando?